Requisitos Essenciais do Editor Moderno

Nos últimos anos tenho tido diversas reuniões e trocado sobeja correspondência com alunos de mestrados e pós-graduações ligadas à tradução, edição e técnicas editoriais.

Há umas semanas fui contactado por uma aluna de um desses cursos que, mal informada, me queria colocar algumas questões sobre a área editorial da Cavalo de Ferro. Lá lhe disse que deveria contactar o Diogo para informações actuais sobre a Cavalo de Ferro, mas ainda acabámos por trocar alguns e-mails. O sonho desta jovem é vir a ser editora. Ontem, num e-mail, perguntou-me quais eram os requisitos esenciais do editor moderno.

Não foi uma resposta fácil, tanto que só a enviei hoje de manhã e, claro, a minha resposta, limita-se à área da ficção e não-ficção generalista pois são as que domino. A verdade é que acabei por ter de repensar muita coisa a ponto de conseguir uma resposta que estivesse acima das muitas variáveis que esta questão poderá colocar, nomeadamente: se se está a falar de um editor numa pequena editora ou num grande grupo. Se se fala de um editor mais focalizado para a literatura estrangeira ou nacional e isto para não falar de variações orçamentais, condicionantes ideológicas da editora e uma série de outras problemáticas quotidianas.

Assim eu resumiria as características essenciais do editor moderno a:

- Flexibilidade/Adaptabilidade
- Conhecimentos e recolha de informações
- Capacidades de RP


FLEXIBILIDADE/ADAPTABILIDADE

O editor moderno tem de ser muito flexível, tem de ser capaz de adaptar as suas ideias e conhecimentos às diferentes situações da editora onde trabalha e às diferentes necessidades da mesma. Independentemente de se trabalha numa grande ou pequena editora, o editor tem de estar preparado para ir buscar outros produtos, caso de tal haja necessidade. Esta questão prende-se com a própria mutabilidade do mercado e dos gostos/modas da literatura e dos leitores. A capacidade de adaptação e a capacidade de manter o rendimento a trabalhar com diversos géneros/tipos de livros é essencial. mas também é preciso que o editor tenha a sua personalidade e os seus objectivos. Senão não deixa a sua marca como editor e isso é o sinal de não se estar perante um editor, mas sim perante um mero executante de livros. O editor moderno, independentemente das exigências supra-hierárquicas ou externas, tem de saber adaptar essas exigências aos seus desígnios e princípios enquanto editor.

ELEVADOS CONHECIMENTOS E CAPACIDADE DE RECOLHA ABRANGENTE DE INFORMAÇÃO

Nos tempos que correm o editor necessita de ser uma pessoa de grande cultura geral. Só assim poderá perceber rapidamente o público, as modas, as necessidades e ser capaz de actuar em diversos sectores, géneros ou áreas. Só assim poderá antecipar as diversas cambiantes de mercado. E já que se falou em rapidez, nesta época das novas tecnologias, um dos atributos essenciais do editor tem de ser a velocidade com que consegue apreender informação abrangente quanto ao seu mercado e quanto aos mercados estrangeiros - isto mesmo que só trabalhe com autores nacionais. O mercado editorial português segue o que vem de lá de fora. Se o editor português consegue antecipar essas modas, consegue preparar dentro daquilo que são os seus princípios e objectivos enquanto editor, então estará à altura do mercado perante o qual quer ter uma acção efectiva.

CAPACIDADES DE RELAÇÕES PÚBLICAS

O editor moderno, mesmo que seja o editor de secretária e não o editor vedeta, tem de estar pronto para intervir na promoção das obras. Tem de ter uma palavra para todos quantos o contactam, mesmo que pelos motivos mais absurdos. Se assim não for, ele, em si, é um recurso parcialmente falhado. Numa época e num país onde todos quantos trabalham no sector do livro devem estar concentrados numa única tarefa: ganhar novos públicos para o livro; um editor que não comunica está a falhar uma hipótese de leitor, mas mais: está também a falhar na imagem de marketing essencial do seu próprio trabalho. Assim, o editor deve estar sempre presente para responder aos pedidos directos que lhe façam. Mesmo que seja para informar que não tem tempo para os satisfazer.

No processo de elaboração do livro, o editor deve ter disponibilidade para acompanhar todas as áreas. Afinal, foi ele que escolheu o livro X para publicação. É, portanto, ele que tem uma noção dos públicos que pretende atingir. É, também ele, que deve fazer os contactos principais com os órgãos de imprensa mais importantes. O editor modernos já não se deve restringir ao mero trabalho de por o livro cá para fora. Pelo seu conhecimento do mercado, da crítica e dos leitores (seus gostos e modas literárias), deve ser um coordenador do trabalho em torno do livro desde a primeira ideia de o publicar, até às convulsões da sua vida comercial.

Conclusão:

O editor moderno deve ser um editor todo-terreno. Deve ser capaz de trabalhar com orçamentos e ter conhecimentos, pelo menos, de base, a nível económico e financeiro para saber se um livro é editável ou se é comercialmente não-viável. Ao mesmo tempo, tem de conhecer o mercado em todos os seus pontos, a juzante e montante da sua posição. Tem de estar atento às necessidades da empresa onde trabalha, bem como às necessidades dos seus fornecedores, e dos seus clientes, os livreiros e os leitores.

O editor não deve enganar-se: o seu público primeiro são os livreiros. Se os livreiros acreditarem num livro dificilmente este será um fracasso.

O trabalho do editor está em conhecer. Conhecer o que pretende publicar e conhecer o meio onde o vai lançar comercialmente.

O grande trunfo do editor é a sua capacidade de agir rapidamente e esse deve ser um ponto pelo qual tem de lutar com as suas chefias. Para além, claro, de ter definidos os seus propósitos e princípios dos quais nunca deverá abdicar. Neste ponto reside boa parte do trabalho criativo do editor; em saber adaptar, com base nesses seus princípios e propósitos, os produtos mais diversos.

Inerentemente, no meio de tantas tarefas e responsabilidades, o editor tem de ser um bom construtor de equipas pois é essencial que delegue funções.

****************

Certamente que há muito para além disto. Eu próprio não estou totalmente satisfeito com a resposta por isso, mandem-me opiniões, sugestõese críticas s.f.f.

0 comentários:

Publicar um comentário