Livros do Ano 2012 (V)



1 - O ilustre, de Clarice Lispector (Relógio d'Água)

Podia ser qualquer um, podiam ser todos os livros da Clarice... Foi este porque é dos que mais gostei.

2 - Uma Manhã Perdida, de Gabriela Adamasteanu (Dom Quixote)

Uma escritora ainda muito ignorada em Portugal. Este é o seu segundo melhor romance. Publicado no começo dos anos 80. (Não li esta tradução portuguesa)

3 - Mazagran, J. Rentes de Carvalho (Quetzal)

Só muito recentemente vim a descobrir Rentes de Carvalho. É muito bom poder ir descobrindo assim, coisas inesperadas. Mais um grande livro.

4 - A Sorte de Jim, de Kingsley Amis (Quetzal)

A obra-prima de Amis, uma tragicomédia que é em boa parte um retrato muito importante de uma realidade britânica de uma época de mudanças. O título original é "Lucky Jim" - Jim, o sortudo" ou coisa que o valha. Os editores e os tradutores têm medo que palavras dessas soem à província, o resultado é um título que pode transmitir uma carga diferente ao livro até pelas diversas utilizações da palavra "sorte". "Jim com sorte" poderia ter sido uma solução.

5 - Pulp, de Charles Bukowski (Alfaguara)
6 - Hollywood, de Charles Bukowski (Alfaguara)

Bukowski quase todo disponível em língua portuguesa com mais estas duas edições. "Pulp" é um dos grandes da literatura norte-americana e mundial.

7 - O futuro da ficção, de António-Pedro de Vasconcellos (Fundação Francisco Manuel dos Santos)

Estive hesitante em colocar este livro. A paginação é péssima. Encontrá-lo à venda foi um pesadelo. E o texto em si apesar de interessante deixa sempre um pouco uma impressão de incompleto. No entanto, como por vezes acontece, foi um livro que, devido a essa falta de completude, me obrigou a pensar em muitas coisas bastante interessantes. Acresce a isso a possibilidade de espreitarmos o mundo de A-P de Vasconcellos por mera curiosidade.

0 comentários:

Publicar um comentário